+ infoAcontecer
Mundo
Inclusão
Refugiados concluem curso para se integrarem no Brasil
Texto Juliana Batista | Foto ACNUR / Miguel Pachioni | 08/11/2017 | 16:25
Os participantes adquiriram conhecimentos de matemática e gestão, que deverão favorecer a sua integração no mercado de trabalho brasileiro
imagem

Vinte e quatro jovens da Síria, República Democrática do Congo, Serra Leoa, República do Congo e Angola que se encontram refugiados no Brasil, concluíram esta semana a formação «Jovem aprendiz refugiado», que decorreu durante dois meses com o objetivo de preparar os mais novos para o mercado de trabalho brasileiro.

 

Ao longo do curso com aproximadamente 180 horas, os jovens adquiriram conhecimentos de matemática financeira, gestão de negócios, e sustentabilidade, entre outros. «Aprendi muito e tenho ainda muito que aprender, mas sinto-me preparada para começar a trabalhar numa grande empresa que olhe para mim a acreditar no meu potencial, porque sei que tenho muito a contribuir», disse Deborah, de 21 anos, citada pelos serviços de comunicação das Nações Unidas.

 

A capacidade para adquirem autonomia e independência é outra das vantagens identificadas na iniciativa. «É fundamental que as pessoas refugiadas tenham oportunidades de se desenvolver plenamente, adaptando-se ao novo país para atingir a auto-suficiência que as fará progredir, fortalecendo com isso a economia local e o desenvolvimento da sociedade em que a pessoa refugiada está inserida», referiu Paulo Sérgio de Almeida, responsável pelo setor de integração local do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) no Brasil.

 

Tony, pai de uma jovem recém-formada da República Democrática do Congo, destaca o facto da formação fornecer conhecimentos sólidos gratuitamente. «É uma oportunidade grandiosa (…). Este projeto traduz-se numa oportunidade real de melhoria de vida destes jovens que passam a ter um futuro mais promissor, ampliando as suas capacidades e fortalecendo os seus talentos», realçou o encarregado de educação. O projeto «Jovem aprendiz refugiado» foi idealizado pelo Grupo Mulheres do Brasil.

Qual é a sua opinião?
Login
Email: Palavra-chave:
Esqueceu-se da sua palavra chave?
Registar
Comentário sujeito a aprovação.