+ infoAcontecer
Mundo
Bispos denunciam «desumanidade» na saúde em Angola
Foto Lusa | 14/03/2018 | 15:09
Prelados consideram que o atual quadro sanitário do país abre espaço para que pessoas mal intencionadas enganem e explorem aos mais pobres. E encorajam o novo Presidente a prosseguir com a reforma do Estado
imagem
A Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) manifestou-se esta quarta-feira, 14 de março, em comunicado, contra o «quadro deplorável de degradação» da saúde no país e lamentou a «escandalosa e gritante» falta de medicamentos e a «desumanidade endémica» nos hospitais angolanos.

No final da primeira Assembleia Plenária do ano, o vice-presidente da CEAST, José Manuel Imbamba, saudou o anúncio do governo sobre o recrutamento de novos médicos, enfermeiros e outro pessoal para o setor da saúde, mas realçou que o atual quadro sanitário do país abre espaço para «muitos charlatães extorquirem e explorarem os pobres».

«Lamentamos a facilidade com que produtos impróprios para o consumo humano entram no país e recomendamos para o efeito maior rapidez na correção desses males, assim como renovamos o compromisso de manter viva a cooperação através da Cáritas», pode ler-se no comunicado, citado pela agência Lusa, em que é dado um voto de encorajamento ao Presidente João Lourenço, para prosseguir com «a reforma do Estado».
Qual é a sua opinião?
Login
Email: Palavra-chave:
Esqueceu-se da sua palavra chave?
Registar
Comentário sujeito a aprovação.