+ infoAcontecer
Mundo
Pena de morte abolida no Burkina Faso
Texto F.P. | Foto DR | 11/06/2018 | 07:03
Pena capital já não era aplicada desde 1988 mas o ano passado ainda havia 12 pessoas no chamado corredor da morte. Igreja Católica aplaude a medida que considera benéfica para fazer crescer a democracia
imagem
O Parlamento do Burkina Faso aprovou a abolição da pena de morte do código penal, entrando assim oficialmente na lista de países que já não aplicam a pena capital. A última execução tinha-se registado em 1988, mas segundo o último relatório da Amnistia Internacional, em finais de 2017, ainda havia 12 pessoas no chamado corredor da morte.

Em declarações ao site oficial do Vaticano, o padre Ludovic Tougouma, que foi missionário no Burkina Faso, classificou a medida como uma reviravolta histórica e «um passo em frente muito importante». «É uma garantia para prevenir a possibilidade de alguém abusar da lei no futuro e fazer executar novamente a pena, mesmo que nunca tenha sido usada por décadas», sublinhou o sacerdote.

A Comunidade de Santo Egídio, desde sempre empenhada no combate ao recurso da pena de morte, também reagiu com agrado à decisão dos deputados. «Trata-se de uma decisão que faz crescer a democracia e os direitos humanos num continente onde nos últimos anos se expandiu significativamente a área dos Estados abolicionistas de direito ou de facto», pode ler-se numa nota emitida pela congregação.
Qual é a sua opinião?
Login
Email: Palavra-chave:
Esqueceu-se da sua palavra chave?
Registar
Comentário sujeito a aprovação.