+ infoAcontecer
Portugal
Faro
Novo pároco em Monchique dá alento a fiéis afetados pelas chamas
Texto J.B. | Foto Samuel Mendonça / Folha do Domingo | 06/08/2018 | 12:02
Cerimónia de tomada de posse foi uma ocasião para lembrar os bombeiros envolvidos no combate ao fogo na região
imagem

A comunidade paroquial de Monchique acolheu Tiago Veríssimo, novo pároco de Monchique, Alferce e Marmelete, ao final da tarde do último domingo, 5 de agosto, com alegria e entusiasmo, mas também com preocupação devido ao incêndio na região, que não permitiu a muitos fiéis estarem presentes na cerimónia.

A Eucaristia de tomada de posse do novo prior foi presidida por Manuel Quintas, bispo do Algarve, que realçou que a «humildade é a condição essencial para escutar que é o primeiro degrau da verdadeira sabedoria». «É importante ter o coração aberto a todos, mas particularmente aos mais fragilizados em tantas situações de vida», aconselhou o prelado ao novo prior, de 30 anos de idade.

«Parti com muita confiança e com a certeza que encontrarás neste povo de Monchique e nas restantes paróquias que te são confiadas alguém que está para te ajudar», disse ao novo pároco. Durante a celebração, Nuno Coelho e José Chula tomaram também posse como vigários paroquiais daquelas paróquias.

A Eucaristia foi ainda uma ocasião para orar pelos soldados da paz. «Vamos ter presente todos os bombeiros que estão a combater o incêndio aqui em Monchique, para que o seu esforço seja compensado e possam vencer este incêndio e não permitir que ele se torne um flagelo aqui para a população deste concelho. Que o Senhor lhes dê forças, esteja com eles e torne fecundo o seu esforço e o seu serviço ao bem comum», disse Manuel Quintas.

Após a celebração e um momento de boas-vindas ao novo pároco, Tiago Veríssimo disse assumir o seu novo serviço com disponibilidade «para acolher a vida de cada um» com os seus «problemas, alegrias e tristezas». «Acima de tudo venho aprender a ser padre e venho para continuar a aprender a ser cristão. E a ser cristão aprendemos uns com os outros, corrigindo-nos uns aos outros. Por isso, sempre que tiverem alguma coisa que corrigir em mim não tenham medo de me chamar a atenção e eu agradeço porque é assim que a gente aprende a crescer», disse aos fiéis, citado pelo jornal diocesano «Folha do Domingo».

Qual é a sua opinião?
Login
Email: Palavra-chave:
Esqueceu-se da sua palavra chave?
Registar
Comentário sujeito a aprovação.