+ infoAcontecer
Mundo
Milhares de migrantes repatriados desde a Líbia
Texto F.P. | Foto Lusa | 08/02/2019 | 10:33
Muitos dos estrangeiros que não conseguiram atravessar o Mediterrâneo para entrar na Europa, aceitaram a ajuda da Organização Internacional para as Migrações para regressar ao seu país de origem
imagem
Mais de 16 mil migrantes, oriundos de 32 países de África e Ásia, foram repatriados desde a Líbia em 2018, ao abrigo do programa «Regresso voluntário» promovido pela Organização Internacional para as Migrações (OIM), informou o coordenador da campanha.

«Segundo as estatísticas da OIM, 16.753 migrantes em situação irregular puderam regressar aos seus países de origem o ano passado. Eram originários de 32 países de África e Ásia e tratava-se sobretudo de migrantes que tentaram cruzar o Mediterrâneo para alcançar a Europa, sem êxito», explicou Juma Bem Hasan.

Além destes migrantes, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados anunciou que apoiou a saída da Líbia de mais 4.800 migrantes, desde setembro de 2017, mas alertou que há mais de 56 mil refugiados em espera para deixar o país.

Durante o regime de Muammar Kadafi, derrubado em 2011, milhares de migrantes passavam pelas fronteiras do sul da Líbia, para tentar cruzar o Mediterrâneo. Depois de 2011 a situação agravou-se, com os traficantes de seres humanos a aproveitarem o caos no país para organizar, a troco de importantes somas de dinheiro, a travessia dos migrantes para Itália.

Muitos dos que foram intercetados o resgatados no mar encontram-se em centros de detenção na Líbia, em condições muito difíceis, e optam por ser repatriados. Várias organizações internacionais têm alertado com frequência para os maus tratos que sofrem estas pessoas em território líbio.
Qual é a sua opinião?
Login
Email: Palavra-chave:
Esqueceu-se da sua palavra chave?
Registar
Comentário sujeito a aprovação.