+ infoAcontecer
Mundo
Bispos pedem libertação de freira raptada há dois anos
Texto F.P. | Foto DR | 11/02/2019 | 16:21
Religiosa colombiana foi raptada por um grupo terrorista no Mali. Conferência Episcopal da Colômbia lançou um novo apelo pedindo a sua libertação imediata
imagem
Os bispos colombianos lançaram recentemente um novo apelo para a libertação imediata da irmã Gloria Argoty, religiosa franciscana de Maria Imaculada, que foi feita refém por um grupo terrorista em fevereiro de 2017, no Mali. Os raptores divulgaram várias mensagens em vídeo, como prova de que a religiosa estava viva, mas até agora o seu paradeiro continua desconhecido.

«São dois anos de sofrimento para ela, para a sua família e para a congregação. Queremos recordá-la a toda a Igreja que caminha na Colômbia o dever solidário da nossa oração, da nossa lembrança permanente para pedir a graça do Senhor, por intercessão da Virgem Maria e São José, para que assim se obtenha em breve sua libertação», afirma o bispo do Vicariato de San Vicente del Caguán e presidente da Comissão Episcopal de Animação e pastoral missionária.

Francisco Javier Correa recorda que a irmã Gloria realizava trabalho humanitário e de evangelização no continente africano, em países como o Benim e Mali. Trabalhava com os pobres e sempre foi uma grande defensora da vida, dando cuidados especiais para crianças pouco valorizadas na sua cultura.

Para ajudar os menores mais vulneráveis, construiu um orfanato, onde procurou sempre proporcionar às crianças uma boa qualidade de vida, ajudando-as em suas necessidades básicas além, é claro, de amor e ternura com que os tratava, como uma verdadeira mãe, adianta o bispo colombiano.

A religiosa foi raptada por um grupo de homens armados na noite do dia 7 de fevereiro de 2017 na paróquia onde trabalhava, no sul do Mali, perto de Koutiala, cerca de 400 quilómetros a leste de Bamako, capital do país. Além do Vaticano, têm estado empenhados na sua libertação a Colômbia, Espanha e França.
Qual é a sua opinião?
Login
Email: Palavra-chave:
Esqueceu-se da sua palavra chave?
Registar
Comentário sujeito a aprovação.