+ infoAcontecer
Mundo
Comissão Europeia considera alarmante a violência sobre as mulheres
Texto F.P. | 22/11/2019 | 15:20
Na União Europeia, praticamente todas as vítimas de tráfico para fins de exploração sexual são mulheres ou raparigas. Em 2017 e 2018 foram disponibilizados 62 milhões de euros para ações de prevenção e de resposta à violência sexual
A vice-presidente da Comissão Europeia e Alta Representante da UE para Relações Externas e Política de Segurança, Federica Mogherini, manifestou-se extremamente preocupada esta sexta-feira, 22 de novembro, com a «dimensão alarmante» dos casos de violência física ou sexual, que atingem uma em cada três mulheres na União Europeia (UE).

«A violência exercida contra as mulheres e raparigas representa uma violência contra toda a humanidade que já não deveria ter lugar na Europa nem no resto do mundo, mas todos sabemos que, não obstante o nosso empenho, ainda estamos longe de vencer este desafio», afirmou a responsável em comunicado, citado pela agência Lusa.

Para a Alta Representante, o problema é transversal aos vários setores da sociedade e é dever da União Europeia e da comunidade internacional manter o compromisso de prevenir, rejeitar e condenar abertamente todos os atos de violência contra as mulheres e raparigas. «A violência contra as mulheres manifesta-se em qualquer lugar, não existindo um lugar seguro, nem mesmo em casa. Bem pelo contrário. As mulheres são vítimas de violência tanto na sua própria casa como no local de trabalho, nas escolas e universidades, na rua, em situações de trânsito e migração, e cada vez mais na Internet através da violência em linha e do incitamento ao ódio», assinalou.

O executivo comunitário disponibilizou em 2017 e 2018 um valor estimado em mais de 62 milhões de euros para ajuda humanitária e ações de prevenção e de resposta à violência sexual e de género em todo o mundo no quadro dos seus programas em matéria de proteção e de saúde. E vai continuar a trabalhar com os seus parceiros «para reforçar os quadros jurídicos e institucionais, apoiando o desenvolvimento e a educação, melhorando os serviços prestados às vítimas que sobrevivem às agressões, combatendo as causas profundas da violência e promovendo a capacitação das mulheres», fora e dentro da Europa, assegurou Mogherini.
Qual é a sua opinião?
Login
Email: Palavra-chave:
Esqueceu-se da sua palavra chave?
Registar
Comentário sujeito a aprovação.